• Viagem ao Sul da Itália: a Minha Aventura

      Quando estávamos em Roma, o tempo no norte da Itália estava péssimo. A questão eram os problemas que a neve estava causando naquela região do país. Trens parados, estradas interditadas.

      Como não tínhamos nada definido, decidimos ir para o sul. Nápoles seria nossa base nos próximos dias. Optamos por um bed&breakfast escolhido às pressas. Fomos parar no B&B Dei Decumani, 87 euros, o casal, por três noites e com uma piccola colazione.

      Em Nápoles


      Chegar à Nápoles é um choque. Chegar ao Dei Decumani foi um choque maior ainda. O B&B fica no coração do centro histórico, em um daqueles prédios típicos da cidade. E acompanha todo o estilo decadente. Mas o albergue, em si, é super tranquilo, limpo e com bom serviço. E a localização ajuda bastante.

      Logo que chegamos fomos para o Museu Arqueológico de Nápoles, um dos mais importantes no tema na Itália. É realmente muito interessante. Exploramos bem a parte sobre Pompéia que seria o nosso destino no dia seguinte. Muito interessante é a “sala secreta” onde ficam alguns achados da cultura erótica de Pompéia.

      E já que estamos em Nápoles, vamos comer pizza!

      Fomos à Da Michele, a pizzaria que ficou famosa após o filme “Comer, rezar, amar”. Pois é, foi lá que Julia Roberts se entupiu de pizza.

      A pizzaria é show, os garçons um show a parte. E a pizza, deliciosa! São apenas dois sabores, um tamanho. Ah! E pizza se come com birra, não com vino.

      Pompéia


      No dia seguinte, finalmente, Pompéia. É super simples chegar ao sitio arqueológico. Na estação central de Nápoles, siga as setas da Circumvesuviana e compre o bilhete. Desça em Pompei Scavi.

      Logo que descer do trem terá um quiosque de informações turísticas, mas NÃO pare. Siga em direção à entrada do sítio e lá alugue um áudio-guia (vale muito à pena!) e compre os tickets.

      Recomendo ir com tempo, pois a cidade é enorme e precisa de calma para conhecê-la. Imperdível é a casa de Fauno, a casa dos Vetti (que, infelizmente, estava fechada quando fomos, mas é onde estão as maiores obras preservadas), a vila dos mistérios e o local onde ficam os achados de Pompei, inclusive alguns moldes dos corpos encontrados.


      Usa seu mouse para caminhar em Pompeia

      No dia seguinte, fomos a Erculano, que fica também na Circumvesuviana, e a algumas estações antes de Pompéia.

      Erculano era a cidade de praia dos romanos, enquanto Pompei era uma cidade mercantilista. Então, visitar os dois sítios é muito legal porque dá uma visão completa da vida na época. E o derramamento de lava em Erculano teve algumas particularidades, que permitiu que a cidade ficasse em um estágio melhor de preservação que Pompei.

      Também acredito (pensamento meu) que como as escavações em Erculano iniciaram em uma época posterior a Pompei o trabalho foi iniciado com maior cuidado. No entanto, dizem que os Bourbons iniciaram as escavações e destruíram muita coisa. E essas cidades também sofreram com ações de saqueadores. Enfim, apesar de não ser tão famosa quanto a vizinha Pompei, Erculano encanta e merece muito ser visitada.

      Na Costa Amalfitana


      Na saída, ao invés de voltar para Nápoles, optamos por pegar o Circumvesuviana até a estaçãofinal: Sorrento, na entrada da sonhada costa Amalfitana. Chegamos lá já à noite, mas deu tempo de tomar um gelato na cidade e tirar algumas fotos.

      Logo que descemos da estação em Sorrento, um brasileiro nos encontrou. Ele se apresentou e disse que nós chamamos a atenção dele, pois falávamos baixo! Pois é, brasileiro chamar a atenção por falar baixo. Deu para imaginar o que são os napolitanos, né?

      No dia seguinte, alugamos um carro para continuar a nossa viagem. Próximas cidades: Costa Amalfitana, Paestum, Matera e Melfi.

      Acordamos e, surpresa! Durante a madrugada havia nevado em Nápoles. Parecia que a frente fria iria nos pegar. Mas, fugimos mais uma vez. Pegamos o carro e seguimos em direção à Costa Amalfitana.


      Sorrento, Praiano, Positano, Amalfi... é lindo demais! Só ficava imaginando aquelas cidades no verão. Muita coisa estava fechado, inclusive restaurantes e hotéis. O conceito de baixa e alta estação é levado a sério nessa região. Alguns locais nos disseram que em julho/agosto o movimento é muito grande e algumas ruas ficam fechadas para carros, tamanha a quantidade de pessoas.

      Pessoalmente, não curto lugares quando estão assim. Então, quando voltar a Positano (a “minha” cidade) novamente, será em maio/junho ou setembro, quando a temperatura estará mais agradável e não tão cheio. Recomendo também visitar as lojas de cerâmicas, comuns da região. Infelizmente, a maioria estava fechada, mas conseguir encontrar uma aberta e arrematar umas peças.

      À noite chegamos a Paestum, onde iríamos passar a noite. Ficamos em um bed&breakfast chamado Graziella. Muito agradável, os donos muito simpáticos. Éramos os únicos hóspedes.

      Paestum também leva a sério o termo “baixa estação”. Nosso interesse pela cidade é que nela ainda existem alguns templos dos gregos! E descobrimos muita coisa legal por lá! Por exemplo, a região é uma área agrícola, super bonita. E tem muita criação de búfalo. Nunca vi tanta leiteria com produtos de búfala. Vale a pena experimentar! Visitamos o sítio arqueológico e o museu, compramos algumas mozzarellas e nos mandamos em direção a Matera.

      Em Matera

      Cerca de duas horas depois chegamos à Matera.


      Logo na chegada encontramos, ou melhor,
      fomos encontrados por um guia que foi a figura dessa viagem: Luigi. Ele fez uma ponta como
      soldado romano ("non il cattivo") no filme "Paixão de Cristo" que foi rodado na cidade. O filme
      movimentou a cidade e vários moradores fizeram ponta no longa. E vou dizer que Mel sabe das coisas. Matera é linda, apaixonante. Os "sassi" são um espetáculo à parte. Vale muito incluir Matera no roteiro de viagem.

      E, graças ao nosso soldado romano, ficamos hospedados em um "sassi" completamente reformado na área interna e super bem decorado. Enzo, o proprietário, está iniciando o negócio de hospedagem em Matera (enzocorleto@hotmail.it). Ele também tem um bar que está reformando para abrir no verão.

      E depois de uma história bem triste (vale muito contratar um guia para percorrer os sassi e entender a história. O nosso foi o Nicoletti, tiozinho fofo. Só perguntar por ele.) a área está sendo revitalizada e foi dividida em zonas: hospedagem e comércio, museu... A revitalização ainda está em andamento, mas a área comercial está super bem arrumada, com vários restaurantes, hotéis, cafés.

      E em Matera, não teve jeito.... a onda de frio nos pegou. E na primeira noite, nevou :-) O
      comentário geral dos locais era sobre a raridade do fenômeno. Confesso que Matera ficou ainda mais linda branquinha.

      Em Melfi


      Depois de duas noites em Matera, precisávamos começar a voltar. Nosso voo de volta para o Brasil era daí a três dias. Pegamos a estrada em direção a Melfi.

      Nosso plano era chegar a Nápoles no dia seguinte para devolver o carro e, em seguida, pegar o trem para Roma. E Melfi estava no meio do caminho entre Matera e Nápoles e ainda tinha um castelo medieval para ser visitado. Assim, além da antiguidade com romamos e gregos, teríamos oportunidade de conhecer outra era histórica ;-)

      Já na estrada começamos a perceber que não seria fácil. O tempo piorou muito e, conforme nos aproximávamos de Melfi, mais branca ficava a estrada. Eu estava muito tensa. Até que passamos por um "quebra mola" de neve e o carro ficou desgovernado. Fiquei muito assustada, mas nessa hora contei com a super habilidade do namorado na direção. Ele tentava me acalmar “calma, calma, calma” e ao mesmo tempo tentava colocar o carro nos eixos. E conseguiu! Mas, enfim, por mais que o GPS nos mostrasse que estávamos muito perto, parecia que Melfi não chegava nunca.

      Tínhamos um endereço de um bed&breakfast e fomos para lá. A cidade estava embaixo de
      neve! Chegamos ao endereço e ninguém atendia. Nessa hora, me deu vontade de chorar. Já estava anoitecendo, sabíamos como estavam as estradas e não tínhamos hotel. Acabamos encontrando um hotel grande, na saída da cidade. Achamos melhor pernoitar e sair no dia seguinte. Nevou a madrugada inteira. Ao sairmos, nos informamos no hotel que a estrada que ligava a cidade à autoestrada (segura e desimpedida) estava fechada e que provavelmente abriria daí a 2 horas.

      Decidimos que poderíamos esperar fazendo a visita ao castelo. Na saída do hotel, o senhor que pilotava o tratorzinho que tirava a neve nos orientou a usar correntes nos pneus. Assim fizemos e fomos em direção ao castelo. Confesso que estava muito tensa e nem consegui curtir direito. E nem precisa dizer que éramos os únicos loucos visitantes do castelo. Mas, enfim, conhecemos uma nova parte da história.


      Voltando para Roma com neve


      Seguimos em direção a Nápoles. Tudo ia bem até que... fila de carros, caminhões, estrada
      interditada! Exército italiano chamado para remover a neve da estrada. Cena de filme. O que fazer? Esperar... e esperamos... mais de uma hora. Até que começou a andar. Nesse momento, ainda pensávamos em manter nosso plano, de parar em Nápoles. Só que, alguns quilômetros à frente, no pedágio para entrar na autoestrada, tudo fechado de novo!

      Inacreditável! Dessa vez, a estrada foi fechada devido a ventos muito fortes. Ficamos mais de uma hora aguardando. Nesse ínterim, decidimos que seria arriscado parar em Nápoles, pois estaríamos limitados aos horários dos trens e nosso voo sairia às 6h10 da manhã seguinte.

      Decidimos seguir para Roma no carro. Devolveríamos o carro no aeroporto e pagaríamos a diferença. Assim fizemos. O tempo melhorou e chegamos a Roma animadíssimos e motorizados. Já nos sentíamos "os romanos" e fomos jantar. Voltamos ao Da Gino. Fizemos tudo com muita calma, pois teríamos ainda a madrugada. Depois do jantar, paramos novamente para mais um vinho. E seguimos para o aeroportoicon.

      O aeroporto de Fiumicino fechado...


      Tudo tranquilo, devolvemos o carro em um esquema "self service" e seguimos para o aeroporto. Até que... o aeroporto estava fechado! Isso mesmo, fechado! Nada funcionando! O aeroporto Fiumicino fecha das 22h às 5h. Apenas um portão fica aberto. Todo o comércio fica fechado e, o pior: são pouquíssimos os bancos para aguardar. Eu estava zonza de tanto cansaço, estresse, tudo, que dormia em qualquer lugar que encostava.

      Mas deu tudo certo. Fizemos o check-in e depois que chegamos à área de embarque conseguimos nos acomodar e tirar uma sonequinha. E depois na viagem até Amsterdam também, de onde partiria o voo para o Brasil.

      Enfim, foi uma viagem fantástica, com muita história para contar!


      Fotos: costiera amalfitana - Emanuele Anastasio, Matera - Wikipedia, Pizza - Da Michele
      Comments 6 Comments
      1. Avatar de dan.digregorio
        dan.digregorio -
        Nossa Ana, que aventura!! Me lembrou quando me perdi em Minas Gerais indo de Sao Paulo para Brasilia de carro. Assustei, mas agora considero aquela uma aventura bem legal
      1. Avatar de Ana T
        Ana T -
        Pois é, na hora a gente fica assutado. Mas agora vejo o quanto foi bacana e que, na verdade, estávamos seguros.
      1. Avatar de pammela
        pammela -
        Ana, estou indo para França e Italia e precisando de muitas dicas. Vou ficar uns 05 dias em Roma e depois queria conhecer Assis, Florença, Piza e Veneza. Vc acha que devo usar outra cidade como ponto de apoio ou Roma mesmo. Pensei em Florença porque meu voo de volta parte de Paris. Qual é o melhor lugar pra ficar? Sua experiencia me tranquilizou.
      1. Avatar de danifurlan
        danifurlan -
        Pammela, Florença é uma cidade que fica mais no centro da Itália, acho melhor ficar lá para conhcer Assis, Pisa, e depois ir a Veneza.
        Abs!
      1. Avatar de cjobim
        cjobim -
        Pâmela
        Eu sou literalmente apaixonada pela Itália e posso dizer que conheço bem, pois já visitei a mesma de norte a sul de leste a oeste. Já que voce esta indo apenas para a Toscana e Roma, aproveite para conhecer a Toscana bem! Não deixe de ir a Siena, San Gimignano, Lucca, Vince e Montalcino são lugares imperdíveis.
      1. Avatar de Ana T
        Ana T -
        Citar Postado Originalmente por pammela Ver Post
        Ana, estou indo para França e Italia e precisando de muitas dicas. Vou ficar uns 05 dias em Roma e depois queria conhecer Assis, Florença, Piza e Veneza. Vc acha que devo usar outra cidade como ponto de apoio ou Roma mesmo. Pensei em Florença porque meu voo de volta parte de Paris. Qual é o melhor lugar pra ficar? Sua experiencia me tranquilizou.
        Olá Pamela! Como já disseram, essas cidades que vc irá visitar não ficam no sul da Itália. Com certeza, vc encontrará muitas info a respeito delas aqui no Dicas, pois estão entre os destinos mais frequentes. Boa viagem!